quinta-feira, 24 de abril de 2008

Ontem foi o Dia Mundial do Livro, e para contemplá-lo houve o lançamento de um livro de poesia na minha faculdade(Escola Superior de Teatro e Cinema), que tinha como autores dois colegas, um aluno de Dramaturgia e outro de Produção, para ser mais preciso, João Santos e Irlando Ferreira(Cabo Verde). Fui convidado para declamar dois poemas, e confesso que estava um pouco nervoso, mas acabou por correr às mil maravilhas, tendo sido um início de tarde carregado de emoções, aqui vos deixo com um dos poemas, que falam por si só:

De Rua

De rua,
Na rua.
Porquê na rua?
Porque não debaixo de um tecto?
Tecto sim!
Não importa ser chapa.
Mas importa a diferença,
Entre o tecto chapa
E o tecto azul.
Azul longe,
Longe de mim
Nem o frio...me consegues amparar...
Já imaginste o mês de Janeiro?
Janeiro...Dezembro...
Ainda aqui estou.
O sol acalenta-me o incansável
deambular,
A lua resguarda-me de vigília,
E t escarneces da minha condição.
Não me pode marginalizar,
se não conheces a essência do meu ser.
No dia que perderes
Um minuto da tua vida
Para reflectir a minha condição,
O mundo dará mais um passo em
frente...

3 comentários:

Lúcia Sousa disse...

que se percam, então, muitos minutos das nossas vidas!

Stella Maris disse...

Os alunos da Escola Superior de Teatro e Cinema não param de surpreender :)

mmmim disse...

embora seja uma co-autoria, estou em crer que esse é do joão...
mas mesmo que não seja do joão, mesmo que não seja da rua, nem do deambular, nem da lua, nem das reticências que eu conheci, muito obrigada, joão brito, por teres partilhado. muito obrigada mesmo!